Personalidade

 


Reservamos este espaço para levar a vocês textos, poemas e opiniões de personalidades mundiais sobre o nosso amigo, O GATO.

A nossa é a Dra. NISE DA SILVEIRA.

A Dra. Nise tinha duas paixões: a psiquiatria e os gatos. É do livro, Gatos, a emoção de lidar que tiramos o seguinte depoimento.

Dra. Nise da Silveira e seu gato Carlinhos - (1998)

Leonardo Da Vinci e o Gato

É muito freqüente encontrarmos entre pinturas de Leonardo Da Vinci a tela que representa Sant'Ana, a Virgem e o Menino Jesus brincando com um carneirinho.

Freud vê em Sant'Ana a representação da camponesa Catrina, mãe verdadeira de Leonardo, Maria  encarnaria dona Albiera. esposa legítima do pai de Leonardo e o Menino Jesus revestiria a forma do próprio Leonardo infante. O carneirinho não iria além de mero brinquedo.

A leitura freudiana reduz a termos individuais as imagens da história de Leonardo, esquecendo que o tema Sant"Ana, sua filha e neto era conhecido desde séculos, nas obras de Luca di Tommè, datada de 1367, na de Masaccio (1401-1428) e na de Gòzzoli (1420-1497).

Este tema é certamente arquetópico. Vamos também encontrá-lo na Grécia sob múltiplas variações nas figuras de Demetér, Koré e Brimos. "Em Elêusis o nascimento de Brimos era um símbolo, nada mais que a expressão dessa idéia concentrada como um botão de flor, que encerrava a continuidade da vidade na unidade: filha, mãe, criança, o ser morrendo, procriando, nascendo." (Karl Kerényi)

Leonardo não se satisfez unicamente com a presença do carneirinho como brinquedo do Menino Jesus. Procurou outro animal muito significativo para ele próprio, a fim de brincar com a criança divina: o gato. Ser que possui para o homem significações opostas (agressivo) àquelas do carneirinho (manso-dócil).

Desenhou-o em múltiplas graciosas posturas. E por fim colocou-o no colo do Menino Jesus que o estreita em seus braços. O original do desenho encontra-se no Museu Britânico: A virgem, a criança e o gato.

Bibliografia: Gatos, a emoção de lidar

Desenho de A. Willette para o emblema do célebre cabaré de Montmartre.

Lê Chat Noir

Clique aqui para conhecer outros artigos da Dra. Nise da Silveira